Você conhece a Upwardly Global?

Você conhece a Upwardly Global?

Por Susi Helen

Quem nunca teve reticências ao preencher uma aplicação de emprego aqui nos Estados Unidos? Ou gaguejou por não saber quanto é seu “GPA*” cumulativo ao ser perguntado de repente?

Alguém aqui já ficou na dúvida no que responder quando questionada sobre qual foi seu “major” e seu “minor”? Ou ainda ….Não soube ao certo como fazer uma conexão entre as habilidades desenvolvidas nas participações em grêmios estudantis, associações de classe e atividades voluntárias com os requisitos da vaga na qual está se aplicando?

Quem já não teve dúvidas sobre como reconhecer habilidades que são transferíveis entre o emprego anterior e o emprego pretendido, mesmo elas tendo nomenclaturas completamente diferentes?

Quem de vocês um dia imaginou que ter um “personal statement”, ou um “sales pitch” na pontinha da língua fosse tão importante aqui nos Estados Unidos? (Engana-se quem acha que somente as empresas devem ter um …)

Isso sem falar na famigerada ops, digo …”na famosa”  “Cover letter”, no “Thank you note” e no  “follow-up call” após a entrevista … O que escrever? O que falar? Como se expressar profissionalmente de modo a causar uma impressão positiva sem sair do contexto e ir de encontro com as expectativas dos recrutadores?

O cenário pode complicar ainda mais se a sua formação universitária no Brasil for tão única ou específica que não encontra correspondência nos cursos daqui ….   Wow, quanto preparo antes de sair por ai se candidatando! Não é a toa que sem o devido preparo a busca pode ser bastante frustrante ….

Você que chegou recentemente ou que sente pronta para voltar a trabalhar, já parou para pensar nesses “pequenos detalhes”? Esses tópicos merecem muita atenção e planejamento, principalmente por nós, candidatas imigrantes. Eles sinalizam para o recrutador quão preparado você está para a vaga e quão familiar você está com a cultura e valores do país escolhido – o “American way of life”. E isso engloba desde a língua em si, passando pelo comportamento, linguagem corporal, vocabulário escolhido, escrita, modo de negociar e até o jeito de se relacionar em um ambiente profissional..

Mas, e agora, Susi? Os desafios eu já conhecia e alguns enfrento diariamente … mas como contorná-los?

É com imenso prazer que eu divido com vocês um pouquinho da Upwardly Global (UP), uma organização pela qual tenho uma grande admiração. Desde 2000, essa organização impacta positivamente a vida profissional de muitos imigrantes e refugiados qualificados que escolheram os Estados Unidos para morar e exercer suas profissões.

Mas peraí … O que a Upwardly Global pode fazer por mim? Trata-se de uma escola? Um curso? Uma agência recrutadora?

A UP é uma organização sem fins lucrativos que tem como objetivo ajudar tanto imigrantes qualificados quanto refugiados das mais diversas nacionalidades a reconstruir suas carreiras em solo americano. E sabe da melhor parte? Dos 5 escritórios americanos um deles está localizado na Califórnia, bem no centrinho de San Francisco! [na 582 Market St, San Francisco, CA 94104, (415) 834-9901].

O que eles oferecem?

Além do programa de treinamento baseado na sua formação, a UP também ajuda imigrantes qualificados a construir relacionamentos com profissionais norte-americanos e empregadores locais. E também auxilia significantemente os candidatos entenderem as diferenças culturais no ambiente de trabalho e como agir de encontro com as expectativas de quem contrata. Ela não é uma agência de colocação e tampouco garante sua colocação de emprego, mas oferece treinamentos de altíssima qualidade qualificando imigrantes e desenvolvendo habilidades pontuais dando condições para que os mesmos reconstruam suas carreira com confiança e nos moldes americanos.

Mas isso é muito caro, Susi?

A UP conta com patrocinadores e apoiadores (pessoas físicas e jurídicas) que subsidiam os programas com doações. Isso permite que a organização ofereça serviços e programas gratuitamente aos participantes!

Mas … meu inglês ainda não está fluente, mesmo assim posso participar?

SIM! Se você ainda não for fluente em Inglês ou precisa de um “empurrãozinho” em  qualquer outra habilidade básica (computação por exemplo), a UG encaminha potenciais candidatos para instituções parceiras para que os mesmos possam se desenvolver adequadamente e voltar quando a formação for completada.

E aí, te convenci?

Espero que sim, mãos a obra então?

Abaixo os requisitos para ser aceito no Upwardly Global:

  1.    Possuir greencard ou status de asilado nos EUA;
  2.    Ter título de bacharel (ou superior) no seu país de origem
  3.    Ter no mínimo 2 nos de experiência de trabalho fora dos Estados Unidos
  4.    Estar morando nos EUA por menos de 5 anos
  5.    Nunca ter trabalhado nos EUA na sua área de formação
  6.    Possuir Inglês Intermediário-avançado e habilidades com computadores
  7.    Ser um índividuo altamente motivado e estar apto a participar de todos os treinamentos (sejam eles online ou presenciais) promovidos pela organização.

Eu sinceramente torço para que muitas brasileiras possam se beneficiar dessa informação e de tudo que a UP possa lhe oferecer de agora em diante. Se por algum motivo você não se qualificar imediatamente, incentivo-a a repassar esse post para o maior número de imigrantes qualificados que você conheça, do seu círculo de amizades. Eu sou daquelas pessoas que acredita que “sharing is caring” (e em kharma tb!).  Além do mais, quanto mais diversidade existir no ambiente de trabalho, quanto mais brasileiros “empowered” e atuando em suas áreas de formação original, mais força teremos como comunidade, mais criatividade no ambiente de trabalho e mais respeito teremos nos processos seletivos.

Quanto mais cedo essas nuances forem assimiladas, as diferenças aceitas (essa parte é importante) e algumas “técnicas” forem colocadas em prática, menos frustrante será o seu processo de volta ao mercado de trabalho em solo estrangeiro. Você vai perceber que quanto mais preparado você estiver, suas chances de êxito aumentarão exponencialmente. Encerro meu post parafraseando Charles Darwin:  “Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças”.

Foque nessas palavras e siga em frente.

Boa sorte a todas e muito sucesso na caminhada!

Susi.

The following two tabs change content below.

BRAVE - Brasileiras do Vale

Integrar a mulher brasileira imigrante e fortalecer a comunidade brasileira feminina no exterior.

Latest posts by BRAVE - Brasileiras do Vale (see all)

FB Comments

comments

2018-07-25T15:56:34+00:00

About the Author:

Integrar a mulher brasileira imigrante e fortalecer a comunidade brasileira feminina no exterior.

3 Comments

  1. […] Para mais informações sobre o UpWardly Global, leia o post da Susi Helen […]

  2. […] para conhecer ainda mais a UpGlo, leia os posts da Susi Helen e da May Aguiar, contando um pouco da experiência delas com a […]

  3. […] também a experiência de duas Brasileiras do Vale no UpGlo: Susi Helen  e May […]

Leave A Comment