Grávida no Vale – Descobertas e preparação para o nascimento

Grávida no Vale – Descobertas e preparação para o nascimento

“Birth is an extraordinary journey accomplished by ordinary women”- Claudia Boker, midwife.

_DSC5791aLogo que pensei em engravidar, uma grande amiga estava grávida e além de algumas dicas sobre tentativas, começou a falar sobre Parto Humanizado. Eu já tinha ouvido falar sobre parto natural, e claro parto normal, mas parto humanizado, essa era novidade. Por sorte, na mesma época estava pra lançar o documentário brasileiro “O Renascimento do Parto”.

O filme foi o pontapé inicial para eu mergulhar de cabeça sobre o assunto. E como alguma de vocês sabem, até eu engravidar demorou um pouco , então deu tempo de ler e estudar bastante. Pesquisando, encontrei diversos sites com informações muito boas, além de livros e documentários que me fizeram compreender melhor e me apaixonar por esse universo novo – o nascimento.

Nesse processo de tentativas, também descobri como é importante ter uma postura ativa no que é relacionado ao meu corpo e a minha saúde. Foi assim com o tratamento, a gravidez, e está sendo assim com as escolhas que tenho feito para trazer a Olivia ao mundo.

Aqui nos EUA não se usa o termo parto humanizado. Então, vamos entender as diferenças:

  • Parto Normal (Vaginal Birth) – É o parto tradicional. Normalmente com uso de analgesia (ex. epidural) e algumas intervenções rotineiras – dependendo muito do hospital e do profissional que o assiste.
  • Parto Natural (Natural/Active Birth) – É o parto vaginal realizado sem intervenções ou procedimentos desnecessários durante todo o período de trabalho de parto, parto e pós parto, e com o atendimento centrado na mulher. O mais comum é não ter analgesia, mas essa, como todas as outras intervenções, é uma decisão da gestante. Pode acontecer no hospital, casa de parto ou no domicílio da gestante. [fonte]
  • Parto humanizado – termo usado no Brasil para descrever o atendimento que respeita a fisiologia do parto e o protagonismo da mulher. E por protagonismo da mulher, entende-se, que a equipe assiste o parto, e não o faz. Há sugestões, recomendações e muita informação, mas é a gestante que decide.
  • Cesárea (C-section) – É o nascimento através de cirurgia que pode ser agendada ou intra-parto – emergencial. Há algumas razões médicas para se agendar uma césarea, além de ser método considerado seguro e que salva muitas vidas. Entretanto, carrega mais riscos se comparada com o parto normal.

Apesar da situação por aqui ser um pouco melhor do que no nosso país, não se engane. O parto normal é ainda o mais praticado, mas muitas vezes com intervenções e procedimentos nem sempre necessários. E há uma grande preocupação com o crescimento da taxa de cesáreas (atualmente de 40%, quando a OMS indica 15%). Por isso se informar é fundamental.

Abril é o mês de consciência da cesárea. Essa é uma campanha que visa sensibilizar e educar as pessoas sobre o uso desse procedimento, tendo em vista reduzir o número de cesarianas em mães que não precisam, ou que não irão realmente se beneficiar deste procedimento.

Em Fevereiro, aconteceu uma pequena sessão pipoca aqui em casa, onde reuni algumas brasileiras para assistirmos The Mama Sherpas – documentário que explora a tendência da prática colaborativa entre Midwives (parteiras/obstetrizes) e Obstetras. A ideia era, além de ver o filme, iniciar essa conversa entre nós Brasileiras do Vale.

“You train for months, spiritually, psychologically, certainly physically, for a marathon. Giving birth is the most athletic thing a woman can do. Why wouldn’t you prepare for that too?” Mariah, mother of 3, V2BAC – The Mama Sherpa.

(Você se prepara espirtualmente, psicologicamente, e claro, fisicamente por meses para uma maratona. Parir é uma das coisas mais atléticas que uma mulher pode fazer. Por que você nao se prepararia para isso também? Mariah, mãe de 3, parto natural após cesárea.)

Essa frase me chamou atenção porque é uma frase que uso com frequência para ilustrar meu ponto de vista sobre parto em conversas com amigos e conhecidos.

Expandindo essa conversa, compartilho aqui alguns recursos – livros, sites, fóruns e encontros presenciais na nossa região, para que mais pessoas tenham acesso a essas informações tão importantes, e se preparem para esse momento tão especial e transformador que é o nascimento de um filho.

“Faça os cursos, leia os sites e livros. Informe-se. Mesmo que você já tenha optado por anestesia, indução, ou cesárea; mantenha-se informado pois nunca se sabe o que irá acontecer. Minha bolsa estourou às 7 da manhã e eu estava super tranquila pois sabia exatamente o que fazer. A informação correta me ajudou muito. [Erica Almeida, mãe da Elena nascida em Set/2015]

Cursos (Presenciais de Preparação ao parto, cuidados com o recém-nascido e yoga para gestantes e casais)

  • Harmony Birth: Organização social localizada em Campbell que tem como objetivo construir uma rede de ajuda e suporte para famílias oferecendo informação, cursos e serviços.
  • Blossom Birth: Organização sem fins lucrativos localizada em Palo Alto. Tem como objetivo oferecer recursos e serviços para uma gravidez e paternidade saudável e informada.
  • BABI (Bay Area Birth Info): Organização que promove conscientização de cuidados e opções baseados em evidências científicas para reduzir intervenções desnecessárias, melhorar o sucesso de amamentação, e preservar o vínculo saudável entre mãe e bebê.
  • DayOne Baby: Organização localizada em SF e Palo Alto, especializada em suporte a amamentação, aluguel de pump, e produtos essenciais ao bebe, oferece classes, consultas e workshops focados em pre-natal, educação e maternidade.
  • South Bay Homebirth Collective: Lugar colaborativo coordenado por Midwives em San Jose para apoiar e ajudar mulheres.
  • Hospitais: Quase todos os hospitais da região também oferecem cursos de preparação ao parto normal. Leia os programas e escolha o que mais combina com você.

Encontros

  • Tea with Midwives: Encontro mensal gratuito que acontece no 3. Domingo com as Midwives (parteiras) do Bay Area Maternity. Aberto para o público.
  • Meet the Doulas: Encontros mensais que acontecem em diferentes cidades e datas na região para pais e futuros pais que querem entender melhor o papel da Doula no parto e no pós-parto.

Grupos Online

  • Césarea? Não, obrigada (BR): Grupo antigo, que surgiu no Orkut, que conta com mais de 20 mil membros para o incentivo do Parto Normal no Brasil.
  • ICAN of Silicon Valley: Grupo da Organização ICAN (International Cesarean Awareness Network) na região. Além das discussões online também conta com um encontro presencial todo mês.

Livros

  • Ina May’s Guide to Childbirth: Traz muitas histórias positivas de parto (todos na Farm onde a Ina atua), o que é super importante para preparar sua cabeça pro parto. Tem também muita informação que te deixa segura de que seu corpo é feito para parir – Dica da Anita, mãe do Matias
  • The Thinking Woman’s Guide to a Better Birth: Informativo e direto ao ponto quanto aos mais diversos tipos de procedimentos que acontecem (ou podem acontecer) durante a gestação e parto, usando muito da comparação midwife x obstetra – sempre considera o padrão de Midwifery como sendo o melhor – também dica da Anita.
  • Spiritual Midwifery: Uma das melhores formas de se preparar para o parto é ouvindo histórias e relatos. Spiritual Midwifery descreve a jornada de Ina May como parteira e traz a história de dezenas de mulheres que tiveram seus filhos na The Farm no Tenesse. Um livro repleto de histórias lindas, insights positivos e muito amor. Acho que o que mais me inspira é a sensação de amor que transborda todos os aspectos da gravidez e do parto – dica da Marina, que espera Antonio.
  • Parto com Amor (português)): Este livro reúne histórias de mulheres para mulheres. Revela a trajetória percorrida por nove mães – entre elas a autora – para conquistar o parto desejado.
  • Nascer Sorrindo / Birth without Violence: Um dos livros mais lindos que já li. O Obstetra francês Frederick Leboyer descreve o nascimento como uma transicão pensando no lado do bebê. E como algumas práticas podem fazer essa transição ser mais suave. Contato pele a pele, ambiente com pouca luz e aconchegante são práticas incentivadas por ele.
  • Parto Ativo / Active Birth: Janet Balaskas é a líder do movimento contra a posição de parir deitada. Dá dicas de exercícios de alongamento à base de yoga e prática de massagem, e descreve as etapas de trabalho e posições confortáveis para cada fase, seja o parto em casa ou em um hospital.
  • O Corpo Consente / The Body has its Reasons: Ensina técnicas e movimentos para que conhecemos melhor nosso corpo. Aumentando nossa cosciência e confiança

Documentários:

  • O Renascimento do Parto I e II: Lançando em 2013, explora o cenário obstétrico mundil e mostra a situação brasileira. O volumen II está para ser lançado e será focado em Violência Obstétrica.
  • The Business of Being Born: Documentário de 2008, dirigido por Abby Epstein e produzido por Ricki Lake, explora a atual experiência de nascimento nos EUA. O documentário compara e explica os diferentes tipos de parto, incluindo parteiras/obstetrizes (midwives), parto natural, epidural e cesáreas.
  • The More Business of Being Born: Após o primeiro documentários as produtoras sentiram a necessidade de explorar mais profundamente os temas abordados. The More Business of Being Born tem 4 episódios: Episódio 1 é uma entrevista com a Ina May; Episódio 2 é sobre a escolha de celebridades e o parto domiciliar; Episódio 3 explica suas opções sobre doulas, casas de parto e cesáreas e no episódio 4 explora o dilema do parto normal após cesárea.
  • The Mama Sherpas: O mais novo documentário da série, é produzido por Brigid Maher e examina o aumento das taxas de cesarianas nos EUA, e explora o trabalho das midwives na tentativa de mudar esse cenário.
  • Birth Story: Ina May Gaskin and The Farm Midwives: Dessa lista é o único que eu ainda não vi. Mas sou fã da Ina May. Seus livros, ted talks e entrevistas são apaixonantes. O documentário conta a história de um grupo de mulheres que aprenderam a assistir partos numa comunidade hippie em 1970. Desde então elas resgataram “the midwifery way” e mudaram como futuras gerações são ensinadas sobre parto e nascimento.

Outros:

Espero de coração que essas informações te ajudem na melhor escolha, seja ela qual for. E conte comigo se tiver alguma dúvida.

Sentiu falta de algo? Deixe sua sugestão aqui nos comentários.

Você poderá gostar também:

The following two tabs change content below.

Angela Teodoro

Santista de coração e cidade. Vivendo o "California Dream" desde 2011. Foi advogada em sua vida passada e hoje se aventura na área de Marketing e Comunicação. “Nerd desde criancinha”, está sempre conectada e conectando.

Latest posts by Angela Teodoro (see all)

FB Comments

comments

2017-11-18T20:21:15+00:00

About the Author:

Santista de coração e cidade. Vivendo o "California Dream" desde 2011. Foi advogada em sua vida passada e hoje se aventura na área de Marketing e Comunicação. “Nerd desde criancinha”, está sempre conectada e conectando.

2 Comments

  1. […] nossa série “Grávida no Vale“, a Mari Vidigal conta um pouco como tem sido as escolhas relacionadas esse […]

  2. […] a série “Grávida no Vale“, hoje vamos  abordar outro assunto muito importante para a gestante e para o bebê. Além […]

Leave A Comment