Vitrine: Carmela Dantas Barbosa Tricaud

Vitrine: Carmela Dantas Barbosa Tricaud

Mineira, goiana, candanga. É assim que se define Carmela Dantas Barbosa Tricaud, que em janeiro de 2015 se mudou para a Bay Area, após sete anos na França. “Nasci em Minas, fui criada em Goiânia e morei 12 anos em Brasília. E minha mãe é paraibana. Também possuo a nacionalidade francesa. Eu não sei dizer de onde sou”, diz essa bióloga de 47 anos casada com um francês e mãe de três filhos.
Carmela nunca tinha pensado em se mudar para os EUA, mas acabou vindo pra cá devido ao trabalho do marido, funcionário de uma empresa de tecnologia e que sonhava em viver no Vale do Silício. E aqui ela também conseguiu se reinserir no mercado de trabalho, na área em que sempre atuou: pesquisa de novos medicamentos para a cura do câncer.
Uma de suas dicas para as brasileiras que buscam retomar a carreira nos EUA é “olhar para fora do quadrado”. “Talvez você não encontre um emprego na sua profissão original, mas encontre em áreas relacionadas. E na Bay Area existe todo tipo de empresa, é uma das principais vantagens da região”, diz.

Por que você se mudou para os Estados Unidos?

Eu nunca tinha pensado em vir para os EUA. A mudança pra cá se deu em função do meu marido. Eu morava na França há sete anos, fazendo pós-doutorado, me casei com um francês, e ele, que trabalha na área de informática, sonhava em vir pro Vale do Silício. Ele começou a trabalhar em uma empresa americana e recebeu a proposta da transferência. Eu estava de licença maternidade, meu filho tinha quatro meses. Avaliei que para mim também seria uma boa oportunidade. Eu trabalho com pesquisa sobre câncer e poderia atuar no setor privado. Chegamos em janeiro de 2015.

Foi fácil para você se recolocar?

Eu já cheguei com visto de trabalho, o que sem dúvida foi fundamental. Meu marido veio com o visto L-1 e eu com o L-2, para dependentes, que me deu direito a solicitar a autorização para trabalhar legalmente aqui. Logo fui chamada para fazer algumas entrevistas, mas percebi que não estava preparada. Precisava refazer o meu CV pro mercado daqui. O americano é excelente em marketing pessoal e isso precisava já constar no meu currículo. Eles têm uma maneira extremamente interessante de valorizar o que fizeram, a experiência que possuem, e a gente não sabe fazer igual. Contei com a ajuda de amigos que já estavam aqui pra isso, mas há empresas especializadas que pode valer a pena contatar. Uma delas é a Upwardly Global. Percebi também que nas entrevistas eu tinha que ser mais pró-ativa, perguntar mais sobre a empresa, por exemplo. Mas como estava pensando em ter mais filhos, acabei deixando de lado a busca de emprego. Engravidei de novo e tive um casal de gêmeos. Só voltei a trabalhar quase dois anos depois de chegar nos EUA.

Como você achou o seu atual emprego?

Na verdade foi meio a empresa que me achou. Eu tinha me candidatado a uma vaga nessa empresa assim que cheguei aqui, mas nem cheguei a ser contatada na ocasião. Tempos depois, eles buscavam alguém com o meu perfil para substituir uma pessoa que sairia de licença maternidade. Foi aí que entraram em contato comigo. O processo de seleção foi muito rápido, eles tinham pressa. Meus filhos gêmeos estavam na época com cinco meses, achei o momento propício para voltar à ativa. Em duas semanas comecei a trabalhar e acabei ficando, estou lá desde novembro de 2016. Trabalho como cientista assistente sênior na farmacêutica Celgene, fazendo ensaios em laboratório para identificar novos medicamentos para tratamento do câncer, área na qual eu já trabalhava desde a época do meu doutorado.

Você sente algum preconceito ou alguma dificuldade em particular no seu trabalho pelo fato de ser estrangeira?

Não. No corpo de cientistas da empresa onde eu trabalho há muitos estrangeiros, é uma companhia muito globalizada. Acredito que sempre existe lugar ao sol para quem trabalha direito e gosta do que faz. Mas acho importante ressaltar que casos de preconceito não é algo exclusivo dos EUA. Em quase todos os países há preconceito com relação a um povo específico. Na Alemanha é contra os turcos, na França contra os argelinos, aqui contra os mexicanos. O Brasil mesmo agora está vivendo uma onda de imigração de venezuelanos e já houve quem defendesse o fechamento da fronteira.

No caso de quem só estudou em faculdades/ universidades do Brasil, nem sempre conhecidas aqui, você acha que é preciso fazer algum curso nos EUA para facilitar a recolocação?

Todos os meus diplomas são de universidades brasileiras. Mas como optei por fazer ciência, fiz três pós-doutorados na França, onde tive a oportunidade de trabalhar com tecnologia de ponta, o que me preparou para o mercado de trabalho daqui. Mas aqui existe oportunidade de trabalho para todos os níveis de formação. O que eu aconselho é que as pessoas verifiquem a equivalência do seu diploma. Também há empresas especializadas nisso, que fazem a chamada “credential evaluation”, como a World Education Services (WES) ou a North America Educational Group- (NAEG). Se você cursou cinco ou seis anos de graduação no Brasil, aqui poderá ser equivalente a um mestrado. É importante checar.

Também acho importante manter a cabeça aberta para oportunidades na sua área de atuação, mesmo que em funções diferentes do que você fez anteriormente. Se você se formou em fisioterapia no Brasil, por exemplo, você não poderá trabalhar como fisioterapeuta aqui, mas pode trabalhar em uma empresa que desenvolve próteses. E aqui especificamente na Bay Area há empresas inovadoras em todas as áreas, onde seu conhecimento pode ser útil no desenvolvimento de novos produtos e serviços. Qualidades como capacidade de síntese e organização são extremamente procuradas, além de qualidades pessoais como comprometimento com o trabalho e boas relações com os colegas. Talvez isso seja mais importante para você conseguir uma posição no setor privado do que a origem do seu diploma. Temos que saber olhar fora do quadrado. E outra dica importante: não pode mentir, dizer que possui o diploma de um curso que não concluiu, por exemplo. As empresas daqui checam tudo que colocamos no nosso CV.

Você morou na França e na Inglaterra antes de vir pra cá. Qual foi a principal diferença para se adaptar a viver nesses países e nos EUA?

A minha vida era muito diferente quando fui pra Europa e quando vim pra cá, então é difícil comparar. Quando fui pra Europa era solteira, não tinha filhos, minha vida era muito mais simples. Mas o fato é que quando deixamos o nosso país, seja para onde for, perdemos a nossa rede de contatos – em nível pessoal e profissional – que desenvolvemos ao longo da vida. E o maior desafio e reconstruí-la no novo país. Essa rede vale para tudo. Para escolher um médico, achar um encanador de confiança, um bom despachante e também encontrar emprego.

E qual dica você dá para reconstruir essa rede?

Falar a língua é fundamental. Eu já falava inglês quando cheguei aqui, mas senti a necessidade de aprimorar e me inscrevi num curso gratuito para adultos. Em praticamente toda cidade você pode encontrar um curso gratuito. Aprender a língua local é extremamente importante porque te permite interagir com o maior número de pessoas possível. Para criar uma nova rede social efetiva, não podemos interagir só com brasileiros. Temos que interagir com americanos e outros estrangeiros. Também me ajudou o fato de eu de ser muito comunicativa. Eu realmente converso com todo mundo. Saio na rua pra passear com o cachorro e converso com os vizinhos, os convido para a festa de aniversário dos meus filhos, gosto de cozinhar e receber gente em casa. Quando meu filho mais velho começou a ir pra escola, eu e meu marido também procuramos fazer amizade com os pais das outras crianças. Eu preciso conviver socialmente com outras pessoas. Na França também era assim.

Você vive fora do Brasil e é casada com um estrangeiro. Como é conviver tão de perto no dia a dia com culturas diferentes?

É enriquecedor, mas às vezes também gera dúvidas, inclusive na criação dos filhos. Aqui, por exemplo, os pediatras não aconselham a dar suco de frutas para a criança, porque costuma-se comprar suco pronto e esse suco contém açúcar. Já no Brasil recomenda-se dar suco a partir dos quatro, cinco meses. Na França, nenhuma criança come fruta fresca até completar um ano, só fruta cozida. O que é certo e o que é errado afinal? Eu tive muita sorte de encontrar aqui um ótimo pediatra para os meus filhos que diz o seguinte: “O que é certo para a criança é o que dá paz de espírito para os pais”. Não é maravilhoso isso? E é exatamente o que eu faço. Pego o que acho melhor de cada cultura.

The following two tabs change content below.

Silvana Mautone

Inquieta, curiosa, observadora, aberta pro mundo e pro novo. Jornalista. Morou na Itália e na Inglaterra e acabou se mudando para trabalhar nos EUA em janeiro de 2013. Primeira parada NYC, quatro anos e meio muito felizes. Desde setembro de 2017 na Bay Area, começando uma nova etapa e grata por ter vindo parar aqui.

Latest posts by Silvana Mautone (see all)

FB Comments

comments

2018-05-16T03:41:15+00:00

About the Author:

Inquieta, curiosa, observadora, aberta pro mundo e pro novo. Jornalista. Morou na Itália e na Inglaterra e acabou se mudando para trabalhar nos EUA em janeiro de 2013. Primeira parada NYC, quatro anos e meio muito felizes. Desde setembro de 2017 na Bay Area, começando uma nova etapa e grata por ter vindo parar aqui.